Bambaram

Bambaram

O Bambaram é um grupo de Badju di Tina (Baile de Tina), género musical da Guiné-Bissau cujo coração é o som de uma cabaça tocada dentro de água.
Danças e canções são convocadas pelo som profundo deste tambor para celebrar em comunidade momentos importantes da vida.

Cantado em crioulo, o Badju di Tina foca-se nos acontecimentos da vida quotidiana, nas críticas social e política, no amor e na recordação de sentimentos.
Por cima dos desenhos rítmicos percutidos na cabaça, as canções desenvolvem-se em pergunta-resposta entre um solista e um coro.
As palmas – pequenas pranchas de madeira tocadas por cada um dos elementos do coro – são o outro instrumento rítmico presente.
No centro do espaço definido pelo coro, as pessoas vão dançando, sozinhas ou acompanhadas.

Na Guiné, Bambaram é a palavra que designa a faixa de tecido que as mães usam durante as actividades diárias para transportar consigo as crianças.
O carácter simbólico deste pano motivou a escolha para o nome do grupo: são irmãos os que partilharam um mesmo bambaram, também o são todos aqueles que fizerem parte deste Bambaram.

Fundado no início dos anos oitenta por guineenses de etnia Papel moradores da antiga Quinta do Mocho (Sacavém), e formado quase exclusivamente por mulheres, o Bambaram é regularmente convocado para cerimónias e festas da comunidade guineense da Grande Lisboa.
Também já se apresentou no Centro Cultural de Belém, na Aula Magna de Lisboa, nos Teatros São Luiz e Maria Matos, no B.Leza, e no espectáculo de abertura das Festas de Lisboa em 2014.